quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Por que o Pará cantou o Hino Nacional Brasileiro?

https://plus.google.com/110178914073799766933/posts/DfYkYQrszpw#110178914073799766933/posts/DfYkYQrszpw

Crédito: Walter Falceta

Por que o Pará cantou o Hino Nacional Brasileiro?

Antes da partida contra a Argentina (Super Clássico das Américas), nesta quarta-feira, a torcida paraense deu show de civilidade no lotado Estádio Mangueirão. Cessou a amostra instrumental do Hino Nacional, mas o povo resolveu seguir até o fim da primeira parte da composição, à capela. As imagens de TV mostram o povo feliz com a saudável molecagem, orgulhoso, muitos com as mãos sobre o peito. São crianças, jovens, idosos, gente negra, branca, índios, representantes da comunidade nipônica e, certamente, a linda mistura de tudo isso. O craque Neymar, ele próprio tão espetacularmente miscigenado, comove-se com a cantoria, marcada na percussão das palmas sincronizadas. Comoção bem comovida. Talvez, mais do que a festa, seja conveniente tomar esse espetáculo como lição para o Sul-Sudeste, onde o Hino é frequentemente ultrajado pelos torcedores, especialmente pelos filhos das elites, sempre envergonhados de sua nacionalidade. Cabe também uma reflexão sobre o ódio que determinados brasileiros têm do próprio país, expresso diariamente nos comentários neofascistas dos grandes jornais dessas regiões. Esse comportamento, aliás, é resultado da campanha diária, massiva, que os mesmos veículos fazem para desmoralizar o país e seu povo. O jornalismo de “pinça” só destaca o que é ruim, o que é nefasto, o que não presta. Obsessivamente. O processo de extinção da miséria parece não existir, tampouco a expansão do consumo popular. E cada agulha sumida numa repartição pública torna-se um escândalo. Pior: a indignação é seletiva, pois o graúdo que desvanece nas administrações estaduais neoliberais nunca vira manchete. Se há notícia boa do Brasil, ela é minimizada. Se o positivo é notório, emprega-se logo uma adversativa, um “mas”, para reduzir ou neutralizar o impacto da mensagem. São espantosos os malabarismos aritméticos, os artifícios de linguagem e os sofismas utilizados para transformar em ruim o que é bom. São gráficos lidos de trás para frente ou pizzas que têm apenas uma ou outra fatia destacada. Disseminar a síndrome de vira-lata, obviamente, tem um objetivo claro. É recalcar os tradicionais estratos médios, é causar rancor, é produzir a intriga, é gerar dissensão, é fomentar o ciúme, é espalhar o ódio entre irmãos. Afinal, para os obsoletos da elite midiota, é preciso difundir todos os dias a ideia do caos, mesmo que imaginário. Para quem perdeu, faz-se urgente uma insurreição para acabar com a festa do crescimento econômico extensivo, da inclusão social e da democratização de acessos. Enquanto eles não passam, vale a pena ficar com o Pará, com os brasileiros do Pará. Viva o Pará! Brasil 2 x 0 Argentina [28/09] [Superclássico das Américas (Hino Nacional) veja o vídeo http://www.youtube.com/watch?v=4CA-yRVxziQ

1 comentários:

PT Zona Norte disse...

muito bom! q o hino represente cada vez mais este brasil de todos os brasileiros q estamos nos tornando! apesar deles...

Postar um comentário